Translate this Page
Pesquisa
Qual a sua afiliação religiosa?
Católico
Evangélico
Adventista
Fundamentalista
Outro
Ver Resultados

Rating: 3.1/5 (660 votos)




ONLINE
2




Partilhe este Site...



Total de visitas: 335784
A Parábola dos Cães, dos Porcos, das Coisas Santas
A Parábola dos Cães, dos Porcos, das Coisas Santas

TEMA: CRESCENDO NO ENTENDIMENTO DAS PARÁBOLAS DE CRISTO

- Estudos Sistemáticos das Parábolas no Evangelho de Mateus -


 

TEXTO CHAVE: Mateus 7. 6 - A Parábola dos Cães, dos Porcos, das Coisas Santas, das Pérolas

 

Objetivos: Levar a igreja local à maior maturidade espiritual e os não salvos aos pés do Salvador.

 

 

0. Introdução: Esboço panorâmico da passagem

 

O que precisamos entender:

 

a. O contexto do versículo está dentro do assunto da parábola anterior e do assunto do texto que se segue.

 

b. O significado das figuras usadas na parábola

 

  • Os Cães
  • Os Porcos
  • As coisas santas
  • Nossas pérolas
  • Pisar com os pés
  • Despedaçar

 

1. O Contexto da passagem

 

Na passagem anterior o Senhor Jesus Cristo está nos mostrando a necessidade de sabermos discernir a ponto de classificarmos em juízo embasado na Vontade de DEUS todas as coisas.

 

Primeiro a nosso respeito. Depois a respeito do demais.

 

Na primeira parte o Senhor Jesus Cristo nos fala de termos consciência de que nossa missão envolve ajuda mútua, mas não antes de nos deixarmos corrigir por DEUS.

 

Na primeira parte: não deve haver “trave” para ajudarmos os outros a retirarem o “cisco”.

 

 

Na segunda parte não devemos ser cegos, a ponto de deixarmos de estar apercebidos dos casos de tão grave corrupção que já não resta esperança e para a qual nossa ajuda não mais trará benefício de nossos esforços.

 

Nesta passagem o Senhor Jesus Cristo nos ensina que não podemos ajudar a todos, pois há tipo de pessoas que não vamos poder ajudar e, na verdade, devemos até mesmo evitar mostrar a eles as verdades de DEUS.

 

Eles estão tão imbuídos em seu ódio a DEUS que rejeitam todo tipo de auxílio que possamos oferecer, sendo que nós somos totalmente incapazes de auxiliá-los.

 

 

 

2. Os significados

 

a. Cães: aponta para a ferocidade do mal contra o bem.

 

Os cães do oriente médio vivem em matilhas, são semi-selvagens e alimentam-se de carniça e lixo. Uma figura do pecador perdido, em sua selvageria contra as coisas de DEUS, fuçando o lixo do mal e a carniça da podridão deste mundo.

 

- ver Fil. 3.2, Apoc. 22.15.

 


b. Porcos: aponta para a impureza do pecado

 

Os porcos são abomináveis e amam a imundícia, não se alegrando com a lavagem da água, antes rejeitando-a e entregando-se à imundícia e desejando por ela.

 

- ver (I Tess. 4.7, Heb 12.14.

 

 

c. Coisas santas: aponta para o perigo da profanação. As coisas de DEUS são santas e não podem ter conluio com as coisas do mundo.

 

Exemplo: Daniel 8.14 – Antíoco Epifânio IV, chamado Epimânio pelos judeus.

 

d. Nossas pérolas: aponta para a preciosidade da Verdade de DEUS. Devemos dar-lhe o devido valor e nunca menospreza-la e vende-la tão barato.

 

e. Pisar com os pés: assim como o porco se decepcionaria por esperar comida e recebesse pérolas, o envolvimento com o pecado despreza receber as preciosidades das Verdades de DEUS

       

       

f. Voltar e despedaçar: assim como o cão avançaria feroz sobre a carne consagrada (AT) desprezando sua santidade, e isso seria profanação, o envolvimento com o pecado produz ira e ódio contra as coisas consagradas de DEUS e só atrai a violência daqueles que estão perdidos.

 

 

3. Lições Práticas

 

 

a. Discrição santa e valorização ao falarmos das coisas Santas e Preciosas de DEUS. Como o falso evangelho perturbador da Verdade faz o contrário, com os vendilhões dos milagres, barateando a Graça de DEUS.

 

- ver II Pedro 2.1-3; Judas 4, 7-8, 10.

 

b. Nossa responsabilidade de cuidarmos das coisas preciosas de DEUS (Doutrina, Ensino, Prática) e defendendo-a até a morte.

 

- Judas 3.

 

c. Saber que algumas pessoas ao ouvirem das preciosidades de DEUS se tornam piores que antes

 

- ver II Pedro 2.20-22

 

4. Advertência e apelo final

 

a. Não devemos nos esquecer da lição anterior sobre julgar com severidade.

 

b. Precisamos nos precaver contra essa índole animalesca em nós mesmos, não menos do que como o fazemos com as outras pessoas. Nem todos crerão. Não depende de nós. Cuidado, paciência e discrição.

 

c. Devemos orar e pedir a DEUS (é a continuidade do texto) por sabedoria a fim de sabermos discernir e a fim de que sejam entregues nas mãos de DEUS os que não podemos ajudar.

 

- ver Tiago 2.5 (Sabedoria espiritual).

 

E você, tem agido como cão, como porco ou como ovelha?

 

- ver João 10.27-28

 

Pr Miguel Ângelo

Culto em famílias. Primavera do Leste - MT, 26.10.12.

Batistas por Nome, por Doutrina e por Prática!

Rev oo

topo