Translate this Page
Pesquisa
Qual a sua afiliação religiosa?
Católico
Evangélico
Adventista
Fundamentalista
Outro
Ver Resultados

Rating: 3.1/5 (660 votos)




ONLINE
1




Partilhe este Site...



Total de visitas: 335708
Omissão ao Ativismo Político
Omissão ao Ativismo Político

DISTINTIVOS BATISTAS FUNDAMENTALISTAS

 

 

 

PRÁTICA ECLESIÁSTICA – 11º. DISTINTIVO: A Omissão ao Ativismo Político

 

 

1. Conceito Teológico

 

Por razões semelhantes ao distintivo anterior, cremos que não devemos compactuar com o sistema político seja através de partidarismo (de situação ou oposição), seja através de instituições subsidiadas ou geradas pela política situacional. A desculpa é que as igrejas locais devem estar em todos os segmentos da sociedade e que muitos homens de DEUS do VT foram estadistas para não dizer políticos ou envolvidos (Daniel, Moisés, os reis teocráticos, etc).

 

Além da Dispensação e do ambiente sócio-religioso-poítico não ser o mesmo, o NT apresenta a política como corruptora da sociedade e perseguidora dos salvos e das igrejas locais. E quanto à sua filosofia inerente, o nosso Senhor afirmou a Pilatos que “...o meu reino não é deste mundo...” indicando sua total indiferença e dissociação do elemento político. O ambiente, a metodologia, os fins, as ocorrências e sobretudo a imoralidade e amoralidade que imperam na política, desaconselham aos verdadeiros salvos e igrejas locais de Cristo de terem qualquer envolvimento.

 

 

2. Textos-Chaves

 

. Apocalipse 2 e 3 – Cartas às 7 igrejas – política ausente.


. Mateus 4.8-11; João 18:36-38; I João 2.15-17


. Apocalipse 17 e 18 – condenação da babilônia

 

3. História

 

. Historicamente, a política foi a responsável indireta para abafar as vozes dos servos de Cristo e das igrejas locais através dos séculos. A política sob o disfarce eufemista de braço temporal das igrejas locais, serviu-lhe aos nefandos propósitos de silenciar aos que corajosamente se levantaram para bradar contra a escravidão do romanismo religioso medieval (Igreja Católica Romana sob poder totalitário do papado).

 

. A política de Constantino (311 d.C.) deu por um lado liberdade às igrejas locais, mas cobrou-lhe subserviência aos seus interesses imperiais e o populismo passou a caracterizar o sistema religioso oficializado pelo império romano, disfarçando-o com títulos e nomenclatura cristãos com claros objetivos políticos.

 

. Em 395 d.C., o imperador Teodósio I (346 - 395) assalariou o clero já compactuado com o governo e obrigou os romanos a aceitarem o cristianismo paganizado como religião oficial de culto. Pode-se dizer que daí para a frente este sistema político-religoso pertencia ao Imperador (Pontifices Máximus) e já não mais tinha relacionamento com o Fundamento que é Cristo (I Cor 3.11), nem com as Doutrinas que uma vez foram entregues aos santos (Judas 3), e o Império e a Igreja Romana fundiram-se em uma única instituição apóstata, por que se fez política e se absorveu a esfaimada súcia de malfeitores interessados em aproveitar-se da situação.

 

. O sistema religioso-político pagão romanista é conhecido na Bíblia como a Grande Meretriz, Babilônia, a mãe de todas as prostituições. Algumas de suas características são claramente descritas nas Sagradas Escrituras:

 

. Está assentada sobre muitas águas (Apoc. 17.1) – significando que seu domínio é sobre muitos povos, nações e línguas (ver o vv. 15).

 

. Se prostituiu com os reis da terra e os habitantes da terra se embebedaram do vinho da sua prostituição (Apoc. 17.2) – significando seus conluios e envolvimentos políticos.

 

. As cores que a definem são a púrpura [roxo] e a escarlata [vermelho rubro] – (Apoc. 17.3-4) – significando suas cores oficias, sendo as cores oficiais do núncio apostólico (dos cardeais e do papado).

 

. Em sua testa está escrito a palavra Mistério (Apoc 17.5) – significando que é uma religião de mistérios, tal quais apresentados pelo clero romano.  

 

. Estava embriagada com o sangue dos mártires (Apoc 17.6) – significando seu ódio sanguinário com o assassinato dos santos ao longo dos séculos.

 

. Nenhuma outra instituição religiosa poderia se encaixar em tais características senão somente a Igreja Católica Romana, cuja sede está na cidade do Vaticano, fundada sobre sete montes (Apoc 17.9).

 

 

4. Divergência Denominacional / Herética

 

. Diferimos dos movimentos religiosos em geral que tem envolvimento oficial com o Estado reinante (Igreja Romana, Episcopal, Luterana, Presbiteriana..etc) .

 

. Das igrejas locais denominacionais que permitem o uso de seus púlpitos, templos e membros nas eleições, candidaturas, etc.

 

. Repudiamos todas as Associações, Agremiações, Ligas, Convenções de igrejas locais [mesmo que alegadamente "regulares", "biblicas", "funcamentalistas"] que, além de não possuírem embasamento Bíblico para existirem, fecham conscientemente os olhos para as exortações bíblicas, apóiam e abertamente permitem o envolvimento de seus associados com a política.

 

. Dos movimentos ecumênicos e pentecostais que ignoram por decisão própria a historicidade dos fatos, dos quais pesam suas culpas sob a Igreja Romana, trabalhando desde o concílio vaticano II pela implantação da mentalidade liberal e ecumênica com o claro propósito de reaver o poder medieval do papado. (Ex. Concílio Mundial de Igrejas, Escola Evangelística de Billy Graham, Apóstolos e Profetas Modernos, etc).

topo