Translate this Page
Pesquisa
Qual a sua afiliação religiosa?
Católico
Evangélico
Adventista
Fundamentalista
Outro
Ver Resultados

Rating: 3.1/5 (703 votos)




ONLINE
1




Partilhe este Site...



Total de visitas: 346778
Parte III - Uma Fé Racional
Parte III - Uma Fé Racional

OS BATISTAS E A HISTÓRIA

(Parte III – – Uma fé racional com evidências reais)

 “Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos” – Romanos 1.22

  

Quando em 1953 se obteve autorização para a análise detalhada do chamado “elo perdido”, apresentado em 1912 pelo Dr. Arthur Keith e sua equipe como a prova cabal da veracidade da Teoria da Evolução, o resultado não foi o que se esperava. As conclusões não somente chocaram o mundo acadêmico de então, mas derramaram a vergonha sob a comunidade científica a respeito de um fato crido como verdadeiro, por sobre toda uma geração de estudantes, professores e pesquisadores. O Dr. Keith e sua equipe haviam forjado um fóssil a fim de “dar provas” a respeito da teoria que ardorosamente defendiam.  Haviam forjado o “elo perdido”, encaixando a calota cranial de um macaco a um crânio humano, ajustando também a mandíbula do macaco serrando, lixando e pintando os dentes do símio com bi-cromato de potássio e sal de ferro aos dentes, encaixando-os à mandíbula humana. Fabricaram, assim, uma das mais tristes páginas da história da ciência: o “Homem de Piltdown”, uma deslavada mentira, uma acintosa FRAUDE! Durante 40 anos, muitas teses de doutorado foram construídas em torno de um descomunal engodo! Que embuste!

Infelizmente, esta mentira não foi única na história da religião humanista da evolução. Fraudes se espalharam desde então: O “Homem de Nebraska” foi totalmente “estruturado” em torno de um dente quebrado que, depois de analisado, se descobriu pertencer a um porco. O “Homem de Neanderthal”, outra acintosa fraude apresentada como evidência da religião evolucionista, recebeu também o seu ultimato: a ossada não passava dos restos mortais de um homem comum que sofria de osteoartritis, causada por deficiência de vitamina D, por esta razão andava encurvado. O “Homem de Cro-Magnon” era apenas um homem comum de 1,80m que sabia pintar. O “Homem de Java”, apelidado de “Pitecantrophus Erectus” (Significa: homem macaco que anda em pé), apenas um amontoado de ossos:  um fêmur humano e fragmentos de mandíbula e dentes de um orangotango! E mais recentemente outra fraude foi desmascarada: a chamada “Lucy” não passa de um amontoado de ossos de um gibão extinto. Não é a ossada de Eva, mas a de uma macaca em nada humana!

Certo renomado cientista ateísta afirmou, desconsolado: “Não há nenhuma evidência científica para que possamos comprovar a Teoria da Evolução, mas eu creio nela por que do contrário só me restaria uma alternativa, crer que na existência de um DEUS CRIADOR. E isto eu não posso admitir de forma alguma!” Finalmente! Chegamos aos fatos! Embora TODAS as evidências apontem para a realidade de um CRIADOR Soberano, muitos rejeitam estes fatos e criam suas próprias conclusões, caso contrário somente lhes restaria dobrar-se diante da realidade de DEUS. Cumpre-se neles o versículo que diz: “Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos” – Romanos 1.22

.Desta conclusão, encontramos a resposta para o estigma falsamente criado de que a Bíblia e a Ciência são antagônicas, assertiva que constitui outra mentira  vergonhosa. A Bíblia e a Ciência são complementares e não opostos! A Fé é Racional, e a Razão conduz à Fé! O Dr. Henry Morris, Ph.D. e autor de diversos livros sobre a acuracidade científica encontrada na Bíblia, afirmou: “Aqueles que negam a Bíblia, simplesmente nunca a estudaram!” Que verdade espantosa, dita em poucas palavras. Como disse, também o Dr. Morris, nossa fé cristã longe está de “se basear em tradições, repousa, porém sobre tremendo acúmulo de evidências reais e objetivas”.

Embora a Bíblia não seja um livro em linguagem científica, muito menos tenha em sua relevância ser dirigida a este alvo, há inumeráveis exemplos que comprovam o fato de ser ela um Livro Inspirado por DEUS e a total impossibilidade de ela ter sido desenvolvida apenas pelo esforço humano. Senão, vejamos alguns poucos exemplos, já que o espaço nos limita:

Engenharia naval: As medidas da Arca de Noé,uma grande caia retangular feita de madeira, tem sido durante anos objeto de pesquisa e testes científicos navais. O PhD, Dr Grady Mc Curtry assim explica: “Os engenheiros navais descobriram que a arca foi o mais estável objeto flutuante já concebido. Impossível de virar ou emborcar, podendo suportar uma inclinação de 89 graus para ambos os lados e ainda voltar à sua posição vertical de forma automática. Suas medidas possuem tal proporção (6 por 1) que é ainda hoje são as mesmas usadas para construção dos modernos navios, como os porta-aviões, pois permitem que eles deslizem sobre a as ondas mesmo sem usar lemes, velas ou motores”. (Gên 6.15)

Genética: Muito antes de Mendel (1822 – 1884) brincar com suas ervilhas, o patriarca Jacó recebeu de DEUS a revelação de que ele poderia manipular os genes do rebanho de seu cunhado Labão, produzindo os resultados desejáveis (Gên. 31.8-12). 

Princípios médicos e sanitários: Em 1846, época em que os médicos mais renomados eram os que possuíam as batas mais sujas de sangue, o Dr. Ignaz Philipp Semmelweiss (1818-1865), preocupado com os altos índices de mortes pós-parto, resolveu programar uma simples ação que havia sido estabelecida por DEUS para os partos em Israel, uma regra simples: Assepsia. A ausência de princípios assépticos no Século XIX ocasionava a febre puerperal e as mortes ocorriam por hemorragia, trombose, peritonite, abscessos, septicemia e estupor, apenas uma semana após o parto. Dr Semmelweiss fez os estudantes da Primeira Clínica Obstétrica do Hospital Geral em Viena lavarem as mãos, após saírem da sala de anatomia, onde dissecavam cadáveres, para que pudessem atender as pacientes grávidas. Defendia que “o transporte para as mulheres grávidas de partículas putrefatas derivadas de organismos vivos, através dos dedos de quem as examina” era a causa da febre puerperal. Os resultados foram espantosos e a mortalidade caiu de 18% para menos de 1%. Isso 17 anos de Pasteur identificar os micróbios e 19 anos antes de Koch os relacionar com as doenças. Mas a comunidade científica condenou Dr. Semmelweiss pela prática  e o internou em uma clínica psiquiátrica, sedando-o até a loucura e morte. Anos depois, comprovou-se que o fato revelado por DEUS tinha base comprovada pela ciência, assim como o período denominado resguardo da mulher (Lev 12.2, 5).

Poderíamos continuar por longas linhas verificando leis e princípios científicos que seriam descobertos apenas séculos depois: Astronomia, Meteorologia, Transmissão de Ondas de Rádio, Leis e Códigos Civis, Verdades Biológicas, Leis Termodinâmicas da Conservação e Deterioração de Energia.

Aliás, a religião humanista da evolução não resiste á Segunda Lei da Termodinâmica, Princípio da Entropia que demonstram que todas as coisas tendem à dissociação, diminuindo sempre, redução de disponibilidade de energia, num sistema que se encontra fechado (Primeira Lei da Termodinâmica). A Criação foi concluída e todas as evidências apontam para um fim, um juízo!

 E, se de fato a Bíblia está certa em relação ao inicio e aos princípios científicos como vimos, também permanece verdadeira em relação ao fim deste mundo de perversidades, já tendo revelado ao homem estas verdades há muito tempo: Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.” (II Pedro 3.10). E a pergunta mais importante que um ser humano se pode fazer é esta: "Como poderei escapar do Juízo vindouro de DEUS"? Que boa pergunta para se fazer no começo de um novo ano.

 

 

Bibliografia

 

 

 

. STOWELL, Dr Joseph M. Doutrina Distintivas dos Batistas. Imprensa Batisa Regular. 1981. SP.

 

. LIMA, Jaime A. Que Povo é Esse? - História dos Batistas Regualares no Brasil. Editora Batista Regular. 1997. SP.

 

. STEFANO, Gilberto. A Origem - Descrevendo a Origem dos Batistas, dos Católicos, dos Protestantes e dos Pentecostais. Edições Cristãs. 2006. SP.

 

. CAIRNS, Earle E. O Cristianismo Através dos Séculos. Edições Vida nova. 1981. SP.

 

. ALMEIDA, José Pedro M. de. Criação ou Evolução - Os 4 Inimigos da Mentira Mais Teimosa do Mundo. Chick Publications. 2002. Ontário, Canadá.

 

. MORRIS, Dr Henry M. A Bíblia e a Ciência Moderna. Imprensa Batista Regular. 1978. SP.

 

. GORDON, Richard. A Assustadora História da Medicina. Agir Editora. 1993. SP.

 

. McMURTRY, Dr Grady S. Criação x Evolução – Onde está a verdade cientícica? Editora A D Santos. PR. 2009.

 

 

 Pr Miguel Ângelo L Maciel

Dez. 2012. Rev 00.

 

 

topo